História de São João de Meriti

3 minutos para ler

A cidade que hoje é São João de Meriti era conhecida inicialmente como São João Batista de Trairaponga e São João Batista de Meriti, está localizada na Baixada Fluminense, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O local que hoje forma a cidade era banhada pelos rios Meriti e Sarapui que tem como origem as sesmaria doadas em 1568 a Brás Cubas, provedor da Fazenda Real e das Capitanias de São Vicente e Santo Amaro.

Ao lado das muitas fazendas existentes, os rios Meriti e Sarapuí eram as principais vias de transporte das mercadorias que eram produzidas. Em suas margens havia 14 portos, todos com um grande serviço de canoagem. Nessa época, a região era um importante produtor de milho, mandioca, feijão e açúcar. Esses produtos eram levados aos portos do Rio de Janeiro para serem consumidos e exportados para a Europa.

A partir de 1647, durante a prelazia do Padre Antônio Martins Loureiro, a Cruz de Cristo foi erguida no povoado surgido na localidade que então tomou o nome de São João Batista de Trairaponga, hoje no local encontra-se a Igreja Santa Terezinha, localizada no Parque Lafaiete, no município de Duque de Caxias que até 1943 chamava-se Meriti. A pequena capela serviu como sede da matriz até 1660. Em 1747, às margens do rio Meriti, foi construída nova Igreja alterando-se sua denominação para Freguesia de São João Batista de Meriti.

Em 1833, a vila de São João de Meriti passou a integrar a vila de Maxabomba, atual Nova Iguaçu. Quando Caxias se emancipou em 1943, incorporou a região como seu 2º Distrito. O mundo ainda sentia os efeitos do fim da Segunda Guerra Mundial quando, em 1947, ocorreu a emancipação política e administrativa do nosso município, sendo criada assim, a cidade de São João de Meriti.

Em meados do século XIX, atinge o seu mais alto ponto de desenvolvimento, mas, a partir desse período, observou-se um declínio social e econômico. A devastação das matas e consequente obstrução dos cursos fluviais e seu extravasamento favoreceram a formação de alagados, a propagação da malária e o abandono das terras assoladas.

Com a inauguração, em 1886, do trecho da linha férrea que ligou a cidade do Rio de Janeiro à Estação de Meriti (atual sede municipal de Duque de Caxias), situada em terras que pertenciam a então freguesia de São João de Meriti, muito sofre a povoação, sede da freguesia. Os moradores vão aos poucos abandonando a terra e fixando-se em torno da estação, em busca da facilidade de transporte pela estrada de ferro.

No inicio do século XX, a cidade passou a receber inúmeros imigrantes portugueses, italianos, judeus, sírios e libaneses. Dentre as famílias mais tradicionais da cidade, destacam as do Comendador Manuel Antônio Sendas, Valadão, Rasuck, Comendador Benedito Amaro, Telles de Menezes e Comendador Agostinho Francisco Paulucci.

Meriti foi também a cidade onde residiu os últimos anos de vida o gaúcho João Cândido, o Almirante Negro, líder da Revolta da Chibata,e um dos lutadores mais proeminentes na defesa dos direitos das pessoas negras. Os descendentes de João Cândido vivem até os dias atuais em São João de Meriti.

Recentemente, a cidade tornou-se um importante centro cultural, sendo o lar de IPAHB e SESC. Hoje é habitada por 469.461,000 pessoas.

Posts relacionados

Deixe um comentário